Hoje eu chorei!

A ferida aberta na alma chorou, e nuvens transbordaram, ruas alagaram, mais uma vez cá estou

Que coisa é essa que tanto nada?

E a nada chega?

Mais um peixe na correnteza

Me dei conta que o tempo também corre, e perdemos cada segundo

A vida é assim

Um jogo de subtrair apenas, e coitado de quem não vier para somar

Esse será engolido pela maré de projeções alheias

Incertezas, conflitos internos e angústias

Essas sim, são indispensáveis no cotidiano do pobre/podre ser!

23 de maio de 2018

Deixe uma resposta